ROMARIA EM MEMÓRIA DO DENI, MARTIRIZADO NA LUTA PELA TERRA!

 “Se eu morrer continuem a luta, e se alguém morrer continuarei lutando.”  (Deni)
 

Ao raiar do dia 23 de Julho na Paróquia da Sagrada família em Ocara,  Arquidiocese de Fortaleza foi realizada a Romaria do DENI, Francisco Aldenir Mesquita (DENI),  trabalhador rural que foi assassinado em 25 de julho de 2000, por lutar por terra, água e moradia para agricultores da comunidade. Denir foi atraído para uma emboscada quando se preparava para participar do Jubileu do ano 2000, celebrado pela Arquidiocese de Fortaleza, o mesmo recebeu o primeiro tiro na cabeça e tombou com seu chapéu na mão, na ocasião nove agricultores saíram feridos.
A luta de Denir não foi e não é em vão, pois no mesmo ano de seu tombamento a comunidade recebeu a Posse da Terra, e vivem no Assentamento do Denir 30 famílias cadastradas. A Dona Raimunda Inês, presidenta da Associação do Assentamento relata que; “são trinta famílias sendo hoje 28 cadastradas e 4 famílias agregadas que moram na residências de familiares.”
E a cada ano a Comunidade de Base celebra á ROMARIA EM MEMÓRIA DO DENI, MARTIRIZADO NA LUTA PELA TERRA!
“Se eu morrer continuem a luta, e se alguém morrer continuarei lutando.” (Deni)

Por Aurelio Araujo  CEBs Nordeste

ROMARIA EM MEMÓRIA DO DENI, MARTIRIZADO NA LUTA PELA TERRA!

A filha,com a netinha (primeira foto), outros familiares,companheiros e companheiras da luta pela conquista da Terra,para morar e cultivar,produzir e compartilhar, vieram para a terceira Romaria no Assentamento Deni, , companheiro morto por pistoleiros contratados,no dia 25 de julho de 2000, no mesmo instante,em que ali próximo,era celebrado,pela Igreja Católica, Arquidiocese de Fortaleza, o Jubileu do ano 2000,ele próprio,usava chapéu para ir na celebração. No episódio violento, mais nove pessoas foram feridas,pelas balas dos assassinos. Algumas estavam presentes.


Na madrugada de ontem,domingo,23 de julho,uma chuva linda, depois da estação, caiu sobre o chão,que amanheceu, em festa,exalando o cheiro da vida que pulsa,nos terreiros e roçados,da terra conquistada,com união,suor e sangue.
O local,onde está a pequena cruz, no meio da plantação de milho já seco, onde brotam flores de gitiranas, melancieiras e feijão de corda,sinalizando a amplitude cósmica do ritual.


Ali,silenciamos,nos curvamos sobre ela,materna terra,para sentir o Espirito que pulsa em suas entranhas, beber seu perfume,comungar no seu profundo mistério.honrar aquele que se entregou a causa de seus irmãos e irmãs,sem a posse do espaço para ter sua casa e seu roçado.

Na caminhada, até a casa, sede da fazenda,hoje, na posse das familias do Assentamento, mais cantos, orações, gritos de alegria e até, de “FORA TEMER”, nome do presidente golpista,que encarna toda agressão aos direitos sagrados do povão das periferias ou do campo brasileiro.

Os estandartes de outros e outras, que deram sua vida por todos – Dom Helder, Pedro Casaldáliga, Margarida…estavam na varanda,antes lugar de onde se controlavam os movimentos na redondeza, com homens armados.


A grande partilha de alimentos,para cerca de mil pessoas, abre a Eucaristia. Jesus de Nazaré, no seu Evangelho da Alegria, nos recontou as parábolas do joio semeado no campo de trigo e, do fermento,na massa do bolo da vida.

Crianças trouxeram frutos e sorrisos, ao altar. Maria, a mãe Negra,Aparecida, na sua pequena estátua,ornada de flores, estava no chão,forrado por bandeiras e produtos do campo e do trabalho.


Foi bom sentir, que a paróquia de Ocara, na pessoa de seu pároco, Padre Mauricio, de suas equipes assumindo o evento, com cuidadoso carinho, dando força e alento, as famílias do assentamento Deni, que iniciaram a celebração da memória, ainda pelo querido, seu Joaquim, um rezador e curador das doenças do povo da região, pai do lider tombado. Ele também já vivendo no grande ciclo da vida. Pastorais Sociais da Arquidiocese, Pastorais Sociais, PJMP,algumas religiosas, estavam ali, em missão de amor solidário.
O refrão da bela canção do companheiro, Pedro Munhoz,ensaiado pela jovem Fernanda, ficou tatuado em nossas mentes e corações: TERRA! TERRA! TERRA!

Por Zé Vicente ( via página pessoal)
Fotos Aurelio Araujo CEBs Nordeste

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *