6º Encontrão das CEBs da Arquidiocese de Maringá

Tema: CEBs e os Desafios do Mundo Urbano

Lema: “Eu vi e ouvi os clamores do meu povo e desci para libertá-lo” (Ex 3,7)

No dia 01 de outubro aconteceu na Arquidiocese de Maringá Pr, o 6 encontrão das CEBs em preparação ao Intereclesial.

A Dinâmica do 6º Encontrão foi apresentar os desafios do mundo urbano através de música e dança. Cada região pastoral recebeu um desafio e um ritmo, a letra da música deveria falar do desafio do meio urbano apresentando as CEBs como o caminho, o sinal de esperança.

Deus escuta o clamor do povo que sofre opressões no mundo urbanizado e convoca as CEBs a participar – junto a todas as pessoas de boa-vontade – de sua libertação. Esta foi a intuição profunda do 6º Encontrão Arquidiocesano das CEBs que uniu musica e dança na apresentação dos desafios do mundo urbano reafirmando as Comunidades Eclesiais de Base como o caminho, o sinal de esperança, na certeza que o nosso Deus habita no campo e na cidade.

O povo de Israel, as discípulas e discípulos de Jesus viveram e anunciaram o evangelho em grandes cidades, cidades com todas essas lógicas de violência, de opressão e ali souberam ser sinais de nosso Deus, souberam ser fermento de Cristo, souberam manter os valores de hospitalidade e acolhida, acolhidos no amor de Deus e por isso eles são sinal que as cidades não precisam ser lugar da violência e opressão, mas podemos construir a cidade de Deus, o Reino de Deus, marcar nossas cidades com essa presença. É isso que reafirmamos no encontrão das CEBs, onde cada um depois de reforçado a fé foi continuar a caminhada.

Para o Papa Francisco “As artes expressam a beleza da fé e proclamam a mensagem da grandeza da criação de Deus” e isso é lindo. A arte envolve, tem sido assim os encontrões das CEBs, as pessoas não apenas vão participar, mas vão como sujeito do Encontrão.

Tema e ritmo desenvolvido por cada região pastoral

– Região Pastoral Jandaia do Sul: meio ambiente e sustentabilidade, ritmo nordestino.

– Região Pastoral Sarandi/Nossa Senhora das Graças: arte, cultura, esporte e lazer, ritmo rock / anos 60.

– Região Pastoral São José Operário: cidade excludente, mobilidade e migração, ritmo samba.

– Região Pastoral Nossa Senhora Aparecida: violência, ritmo hip hop.

– Região Pastoral Catedral: tecnologias de informação e comunicação, ritmo marchinha.

– Região Pastoral Santa Cruz: moradia, ritmo: ciranda.

– Região Pastoral Castelo Branco: trabalho, ritmo valsa.

– Região Pastoral Paranacity: saúde e educação, ritmo: sertanejo gauchesco.

Lucimar Moreira Bueno (Lúcia)
Assessora das CEBs na Arquidiocese de Maringá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *