Encontro diocesano das CEBs Diocese de Caetité – Bahia. LEIGOS E LEIGAS PROTAGONISTAS DA VIDA NAS CEBs

         

As CEBs não são o futuro da igreja e sim o presente . A igreja é composta de comunidades   e     leigos e leigas devem ser sal da terra e luz do mundo para transformar a realidade presente.

Nos dias 15, 16 e 17 do mês de setembro de 2017,  no  Centro de Treinamento de Líderes em Caetité,  com a presença de 65 participantes de 28 paróquias da Diocese de Caetité, aconteceu o encontro diocesano das CEBs.

Os participantes do encontro foram acolhidos pela  Paróquia de Caetité.  Logo após, o zonal de Brumado conduziu uma bonita  oração de abertura do encontro, na qual a Irmã Benedita  propôs uma reflexão  sobre a importância da palavra de Deus na caminhada da igreja e na vida de cada cristão, enfatizando a importância da leitura bíblica principalmente por ocasião do mês da bíblia.

Em seguida Monsenhor Alex acolheu todos os presentes trazendo saudações do Bispo D. Carvalho, que se encontra em Roma para o curso de atualização dos novos bispos e reunião com o Papa Francisco. Falou da importância das CEBs na igreja e afirmou: “as CEBs não são o futuro da igreja, e sim o presente”, ressaltando  que a igreja é composta de comunidades que, com seu testemunho e seu trabalho missionário contribuem para a evangelização, e que   leigos e leigas devem ser sal da terra e luz do mundo para transformar a realidade presente.

Dando continuidade ao encontro Dr. Rafael Costa da Paróquia de Guanambi, contribuiu  trazendo um panorama sobre a  sobre a PEC 287 – reforma da previdência e seus impactos na vida dos trabalhadores, enfatizando a importância das manifestações e da organização popular e a luta do povo para garantir seus direitos. Dr Rafael Costa alertou   para que todos voltem sua atenção para a retirada de direitos da população que levará   à desorganização e a precarização do trabalhador e como consequência,  das famílias.

O Sr. Antônio Lelys  trouxe a  experiência vivida na década de 80, antes da Constituição de 1988. A luta pelos direitos, a busca pela organização da população, e ressaltou “é preciso nos encorajarmos e irmos a luta para não ficarmos só observando, mas lutar para que nenhum direito venha a ser perdido”.

Após a reflexão sobre a reforma da previdência a Ir. Ida conduziu  um momento de oração Mariano com o terço missionário, em profunda  sintonia  e meditação sobre o ser missionário no mundo.

Após o jantar   os presentes foram convidados a assistirem o filme: Filhos do Sol. Um filme que retrata a exploração de mulheres que são tratadas com tamanha desumanização e em cativeiro sendo exploradas sexualmente. A proposta do filme foi provocar uma reflexão sobre a desvalorização dos direitos humanos e exploração.

No  sábado 16/09 iniciou-se com a oração da liturgia das horas, momento para preparar  o coração para o novo dia e os trabalhos que serão conduzidos.

Pe. Osvaldino Barbosa     contribuiu trazendo uma reflexão  sobre o tema: LEIGOS E LEIGAS PROTAGONISTAS NA VIDA DAS CEBs. Enfatizou  que os leigos precisam e devem ser a esperança profética desse tempo. Ajudar as crianças e jovens a fazerem suas escolhas de vida, pois a realidade é gritante, cerca de 60 mil pessoas são assassinadas por ano no país, os leigos precisam ser coordenadores de comunidades que anime a vida da comunidade que aja de maneira a fazer a comunidade crescer e enfatiza que “o laicato como um todo é um verdadeiro sujeito eclesial”.  Lembrou  também que o batismo de cada um é o convite para adentrar a caminhada pastoral na igreja, e levar o evangelho ao seio do mundo.

Os participantes formaram grupos e refletiram sobre o protagonismo do leigo na vida das CEBs, depois partilharam as reflexões sobre a caminhada,  com o olhar voltado para a realidade de cada um que contribuiu com sua presença nesse encontro.

Marli e Roseli, em nome dos participantes fizeram emocionante relato sobre a espiritualidade das CEBs, sobre a caminhada das comunidades desde os Atos dos Apóstolos onde relata a fé e partilha dos bens, onde tudo era colocado em comum e o amor prevalecia.

Reafirmaram que  as CEBs têm uma bela caminhada, fruto do Concílio Vaticano II e da luta durante a ditadura militar. A força do povo, a luta para que as CEBs se fortalecessem cada vez mais. Os Intereclesiais surgiram  para celebrar e reavivar a caminhada das Comunidades Eclesiais de Base na América Latina.

Para encerrar o dia a Ir. Ida Marcon e o Sr. Antônio Lelys   relataram  suas experiências de vida e caminhada nas comunidades. A Ir. Ida ressaltou a experiência,  a caminhada desenvolvida na diocese de Caetité e a luta do povo que quando ela aqui chegou apresentava  grandes dificuldades por causa do analfabetismo e auto-estima baixa das pessoas. Falou  também da luta do povo por suas terras e das situações de conflitos armados que por várias vezes  presenciou.

O Sr. Antônio Lelys contou  sua experiência na década de 70 e 80 onde grileiros ameaçavam a vida do povo, tomando suas terras e expulsando as famílias das comunidades. A luta era constante e desafiadora e terminou  dizendo “não podemos deixar a luta morrer”.

Foi realizado   momento de confraternização, onde muitos tiveram oportunidades de recitar poesias, cantar músicas diversas e várias brincadeiras e cantorias, como nos anima Papa Francisco: “Mas alegria e esperança vão juntas e as duas fazem esta explosão que a Igreja, em sua liturgia, quase grita, sem pudor: Exulte a tua Igreja! Exulte de alegria. Sem formalidades, porque quando uma alegria é forte, não existe formalidade: é alegria”.

No domingo 17/09 celebramos a Eucaristia,  celebrando a vida e a caminhada das CEBs, refletindo a liturgia dominical que convida a perdoar quantas vezes for necessário e praticar o amor e a reconciliação.

Após a Santa missa e o café da manhã Marcos Coordenador do Conselho de Leigos da Diocese falou sobre a importância do conselho na caminhada dos leigos no Brasil e também do conselho na Diocese de Caetité.

  O encontro terminou com um relato das alegrias e esperanças celebradas nesses três dias, ressaltando a importância de que essas informações cheguem a todos, utilizando os meios existentes, nos quais cada leigo e leiga presente se torna um multiplicador das boas noticias das Comunidades Eclesiais de Base pois, cada leigo  deve ser fermento na massa, ser sinal de transformação em cada comunidade.

  “Que o Senhor nos dê a graça de uma alegria grande, que seja a expressão da esperança, uma esperança forte, que se torne alegria em nossa vida. Que o Senhor custodie esta alegria e esta esperança, para que ninguém as tire de nós”. Papa Francisco.

CEBs Caetité, setembro de 2017.

Por Nilson Ladeia Silva – CEBs Caetité Bahia.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *