MCP realiza seu 3º Encontro Nacional com mais de 200 pessoas de 11 estados

 “Nossa Fé é Revolucionária, porque desafia a tirania do ídolo-dinheiro” (Papa Francisco).

Nos dias 15, 16 e 17 de setembro de 2017, realizou-se, no Centro de Formação Dom Itamar Vian, em Feira de Santana (BA), o 3º Encontro Nacional do MCP. Participaram 247 pessoas, incluindo as que assumiram tarefas na cozinha e as crianças.

A presença quilombola e da juventude foi marcante. Sentimos falta dos indígenas e também dos companheiros/as do Rio Grande do Sul e de Goiás que não conseguiram mandar representantes.

Preparação na Base

A preparação desse Encontro começou na Assembleia Nacional do MCP em janeiro de 2017. Em março, publicamos o Encarte do Jornal Voz das Comunidades (JVC) com os temas do 3º Encontro Nacional. O Encarte foi adaptado em várias regiões conforme a realidade de cada Comunidade.

Mais de três mil pessoas receberam o Encarte. Mais de mil pessoas estudaram o Roteiro nos grupos. 500 pessoas participaram dos Encontros preparatórios e mais de 200 vieram para o Encontro Nacional.

Um grupo de jovens chegou antes para preparar a arte popular e ornamentar o local com os símbolos do Movimento e dos setores do povo.

A maioria dos participantes chegou no dia 14. No dia 15, às 08h30min da manhã, conforme estava na pauta, o Encontro teve início com a presença de, praticamente, todos/as os/as participantes.

Homenagens e Participações Importantes

Cada estado apresentou seus participantes ao plenário. Os companheiros do Maranhão transmitiram a mensagem do camarada Manoel da Conceição desejando um bom Encontro a todas e todos.

Após cantar o hino do MCP, foi feita uma apresentação com eslaides sobre os estudos do Roteiro e os Encontros que houve nos estados em preparação ao Encontro Nacional.

Pela primeira vez, tivemos a presença de três companheiras da ASTM (Ação de Solidariedade ao Terceiro Mundo), que apoia o Movimento desde 1987. Elas foram homenageadas com uma placa de agradecimento.

Também recebeu homenagem a companheira Mariana Affonso Penna pela tese de Doutorado que elaborou sobre a história do MCP. A tese foi popularizada por meio do livrinho de bolso Pelo Povo Contra a Correnteza. Outros homenageados foram Luiz Vila Nova e o Grupo Musical Mará pelo lançamento de seu primeiro CD.

Presença importante também foram os companheiros Talles, da Organização Popular (OPA), do Ceará, e padre Júlio Ferreira, Missionário Redentorista de Teresina (PI). O primeiro contribuiu com suas reflexões marxistas. O segundo com sua humildade evangélica. Apresentou a mensagem do Papa Francisco aos Movimentos Populares. “Nossa Fé é Revolucionária, porque desafia a tirania do ídolo-dinheiro” (Papa Francisco).

Marcaram presença também as companheiras da Caritas do Maranhão e da Bahia. As irmãs católicas do Pará e da Bahia e os membros de base das igrejas evangélicas. A palavra forte do Arcebispo de Feira de Santana, Dom Zanoni Demettino, que visitou o Encontro, clamou pela união dos Movimentos Populares. O companheiro Fábio Machado, defensor público de São Luís (MA), se destacou pelo seu relacionamento amigo, discrição, e por sua carta de avaliação do Encontro enviada para a Coordenação Nacional. Estiveram presentes também o companheiro “Gato Félix” da Unidade Classista de Imperatriz (MA).

O companheiro José Bezerra, do Instituto Vozes Quilombolas (IVQ) de Alagoas, deu importantes contribuições aos debates. A vereadora Katia, de Araçoiaba (PE), participou discretamente e de forma atenta à voz do povo. Os companheiros do Rio de Janeiro trouxeram muitos desafios para o MCP, a exemplo da atuação na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

As companheiras da ESPA (Educação para a Saúde com Práticas Alternativas), de Feira de Santana (BA), participaram pela primeira vez de um Encontro Nacional do MCP. Os freis Cal, Enéas e Rutivalter, também de Feira, e os jovens universitários do Curso de Direito/PRONERA (Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária), prestigiaram a noite cultural realizada sem bebida alcoólica.

Em nome da militância do MCP, agradecemos a todas/os pela participação. Vamos continuar juntos/as na base. Com os que não puderam vir, vamos continuar dialogando para construir a Frente Popular pela base para o povo governar de baixo para cima.

Os 11 Temas do Encontro

A plenária foi dividida em 11 grupos. Um para cada tema: Corrupção; Conjuntura; Dívida Pública; Bancos Comunitários; Juventude e Cultura; Economia Capitalista e Desemprego; Terra, Água e Alimento; Saúde e Previdência; Escola e Creche; Drogas e Segurança Pública; Moradia e Urbanização; Jornal Voz das Comunidades.

Cada grupo teve uma tarde para debater seu assunto. À noite do dia 15, iniciou a plenária do primeiro grupo. Durante todo o dia 16 e no dia 17 até meio-dia, continuou a devolução dos grupos. Só foi possível debater em plenário a metade dos assuntos. Os demais temas vão continuar sendo discutidos pela base até dezembro de 2017. Em janeiro de 2018, quando se realizará a Assembleia Nacional do MCP, todos os temas serão concluídos e transformados no Plano Nacional de Lutas e Atividades (PNLA) do MCP. Para isso, os textos relacionados aos temas foram devolvidos para as Comunidades discutirem.

No próximo número do JVC, iremos divulgar as conclusões de todos os temas do 3º Encontro Nacional que serão definidas na próxima Assembleia do MCP.

 

Encerramento

O 3º Encontro Nacional encerrou com dois militantes mais velhos do MCP (48 anos de participação) entregando a bandeira da UJP a todos os jovens presentes. “A continuidade do Movimento depende da juventude ser capaz de seguir os princípios de Humildade, Coerência e Fé”, disseram eles.

Foram homenageados também os 26 companheiros/as que morreram durante os 48 anos do Movimento. Nenhum/a foi assassinado/a, mas todos/as morreram lutando contra o capitalismo.

 

Alguns Exemplos de Campanhas de Base para o 3º Encontro Nacional do MCP

As passagens para o 3º Encontro Nacional do MCP foram assumidas com contribuições pessoais e campanhas de base. Os participantes assumiram as diárias de alimentação. O MCP assumiu o aluguel do espaço. As/os cozinheiras/os trabalharam de forma voluntária.

O Estado de Alagoas participou com 34 pessoas. Para assumir as despesas, foram feitos bingos, vendas de feijoada, rifas, além de contribuições pessoais e dos caixas dos grupos coletivos. Receberam, também, uma contribuição de mil reais do MCP da Comunidade Popular Chico Mendes como solidariedade.

Do Rio de Janeiro participaram 19 adultos e três crianças. O valor total das despesas foi de R$ 9.134,00. Esse dinheiro foi conseguido com campanhas de base por meio de três excursões para Aparecida do Norte, uma por ano. Já está marcada a próxima ida em 2018 como campanha para o 1º Congresso do Movimento que será em 2020.

Fizemos também o bingo na festa junina de 2017. Realizamos dois passeios para um sítio com piscina. A renda desses eventos serviu para a campanha em vista do 3º Encontro Nacional. Além disso, uma pessoa contribuiu com 300 reais e outras seis assumiram suas despesas, sendo que quatro vieram de carro próprio.

A Comunidade do Sítio Matias, apesar de se localizar em Feira de Santana onde se realizou o Encontro contribuiu com 1.300 reais. Esse valor foi resultado de uma campanha de base feita na Comunidade. As famílias juntavam material reciclável e doavam ao MCP que vendia para a ARTEMARES (Associação Regional de Trabalhadores em Materiais Recicláveis). Foram doados 1.700 quilos de material. Mesmo depois do Encontro, a Comunidade quis continuar a campanha para gerar renda para as despesas comunitárias.

A UJP contribuiu com a campanha vendendo feijoada. Os adultos, além da reciclagem, também realizaram um passeio para outra Comunidade.

O MCP de Imperatriz (MA) priorizou o ano de 2017 para fazer campanha de base em vista do 3º Encontro Nacional. A primeira atividade foi através da ASCAMARI (Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Imperatriz). Alguns sócios doaram materiais recicláveis que cataram no valor de 400 reais.

A segunda atividade foi a festa junina da ASCAMARI. As Comunidades doaram os alimentos que foram vendidos na festa. A renda foi de 1.100 reais.

A terceira atividade foi um passeio ao rio Tocantins. Porém, essa não deu lucro. Apenas cobriu as despesas.

A quarta atividade foi uma rifa de uma cesta de chocolate. O lucro foi de 500 reais.

Assim, o total da campanha para o 3º Encontro Nacional foi de três mil reais. Como o custo de cada passagem era de 425 reais por participante, essa campanha ajudou aos que tinham mais dificuldade de conseguir o dinheiro individualmente.

Nos demais municípios do Maranhão, as passagens foram assumidas pelos próprios participantes. Os que representavam instituições tiveram suas passagens assumidas por elas.

Em Santa Rita (PB), o dinheiro foi conseguido com campanha de base (rifa, barraca na festa junina, balada dos jovens) e contribuições pessoais.

Na Mata Norte de Pernambuco, além das contribuições pessoais, houve campanhas de base, doações dos caixas da Escola Jardim da Comunidade, do Grupo de Mulheres e do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Igarassu.

A ANACOP assumiu as passagens das pessoas que chegaram antes do encontro para assumir tarefas e das que ficaram depois para avaliação e encaminhamentos práticos.

Por Francisco de Assis – Chico Malta

Equipe de Comunicação do JVC

 

Um Comentário

  • Francisco de Assis Gomes

    Gratidão e parabéns ao CEBs do Brasil, a Leoni Alves Garcia, pela bela publicação desta matéria sobre o 3º Encontro Nacional do Movimento das Comunidades Populares – MCP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *