Considerações de um jovem sobre seu primeiro Intereclesial.

É isso que Deus quer de nós não tenhamos medo de servir sair de nosso comodismo de Cristão, quando fala de CEBs ou Pastorais Sociais, vem a perseguição de todos os sentidos. Somos humanos e Cristo é um verdadeiro líder que sempre estava à frente de tantas situações de morte ele também  teve medo.

Minhas considerações ao encontro

“Eu vi e ouvi os clamores do meu
povo e desci para liberta-lo”
Ex 3,7

14º. Intereclesial da Cebs

Olá caríssimos Jovens e toda igreja.
O que pude aprender tão profundamente sobre o que é CEBs, uma vivencia tão perto de Deus e do Povo, onde estão enraizados na palavra de Deus, no seu íntimo de vivencia comunitária.

Foi meu primeiro intereclesial. Temáticas que tinha seu aprofundamento nos desafios no meio urbano que foi a proposta do encontro, na reflexão bíblica “ Eu vi e ouvi os clamores do meu povo e desci para liberta-lo” Ex 3,7, tão forte que temos que rever muitos conceitos de ser igreja.

Tantos  desafios para serem abordados como verdadeiros discípulos missionários, a minha temática foi “Os desafios da mobilidade (Transporte e locomoção) ”, onde tivemos a tal preocupações do transporte público, desde ônibus escolares para zona rural a falta de condições de transporte. A ida e a volta de trabalhadores para sua casa que acabam se hospedando na cidade que trabalha por falta de transporte em horários que pudesse trazer estes trabalhadores, outros o transporte urbano (coletivos) o monopólio de empresas que querem superfaturar o preço dos passes, onde não tem estrutura boas de transporte. Onde muitos lutam pelo passe reduzido ou passe livre onde muitos lugares funcionam, ainda mais pelos jovens estudantes, onde mais lutam pela por esta problemática. Outra pauta a locomoção, onde a locomoção em via com pouco acesso, para cadeirantes e outras de mobilidade reduzida, via de acesso ao ciclista, sinalização. Outros comentaram até irregularidade até de prédios públicos que cobram as empresas que deixem conforma a lei a estruturação de mobilidade de acesso a rampas, linha guia para cegos, nem os prédios públicos tem esta estrutura.

E no aprofundamento bíblico podemos ver quem somos nós? E como somos como igreja? Coloquei esta indagação porque muitos colocam a igreja como só oração, mais veio se perdendo o sentido da sua palavra o que Cristo nos deixou, quando o  Frei coloca a vivencia de  Maria que  saiu refugiada pela a situação “politica”. Muitas vezes deixamos de fazer este enfretamento direto, Maria é o berço da igreja a mulher que Deus seu Sim a todos seu enfrentamento, sim claro ela teve medo das situações da época, mas quando Deus deu força a ela e que o Salvador estava dentro de Seu ventre.

É isso que Deus quer de nós não tenhamos medo de servir sair de nosso comodismo de Cristão, quando fala de CEBs ou Pastorais Sociais, vem a perseguição de todos os sentidos. Somos humanos e Cristo é um verdadeiro líder que sempre estava à frente de tantas situações de morte ele também teve medo. É isso ser comunidade viva se queremos enfrentar o mundo de situações de morte de um povo que sofre e luta para uma vida digna.

Que possamos espelhar mais nas ações do Salvador, do que se colocar como cristão que Só condena a ação do próximo, vive lavando as mãos e deixando seu próximo a situações de morte e pobreza humana e espiritual.

Alexsander Silva Arguelo
Assessoria da Pastoral da Juventude
Diocese de Jardim / MS
Regional Oeste 01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *