A caminhada continua…

14º Intereclesial, em Londrina, foi marcante para as CEBs-MT, Regional Oeste 2 .

Eu, Maria Cleuza Feriani, quero aqui, em poucas palavras, agradecer a Deus e a minhas companheiras e meus companheiros pelo trabalho prestado durante esses quatro anos em que estive à frente da Coordenação Regional Oeste 2 das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs)-Mato Grosso.

Sei que avançamos e nossa formação permanece para sempre. Estamos juntos na caminhada em preparação rumo ao 15º Intereclesial das CEBs, em 2022, em Rondonópolis.

Agradeço também ao nosso bispo referencial das CEBs no Regional Oeste 2, dom Neri José Tondello, que não mediu esforços para estar conosco nas reuniões da Ampliada Regional e nos nossos encontros. Agradeço, ainda, aos nossos assessores regionais Roberto Rossi e Maria da Costa Rossi.

Criação da coordenação

Eu iniciei minha coordenação em 2014 e segui até 2017. Mais precisamente até 3 de março de 2018, durante a 10ª Assembleia Regional das CEBs, quando uma nova equipe foi escolhida.

Posse da nova coordenação das CEBs-MT, Regional Oeste 2, durante 10ª Assembleia Regional.

Quando eu assumi a coordenação, na verdade não havia coordenação, pois eram apenas dois representantes do Regional. A antiga coordenadora, Maria Rossi (arquidiocese de Cuiabá), cumpriu o mandato, do qual também participei. Daí ficamos eu (diocese de Sinop) e Silvio (diocese de Juína).

E na 10ª Assembleia Regional das CEBs a equipe foi ampliada, tornando-se uma coordenação, com as entradas do Rinaldo Cardoso (diocese de Rondonópolis-Guiratinga; na secretaria) e do Anderson Redez (diocese de Cáceres; tesouraria). Pois, no meu entendimento, as CEBs têm que trabalhar em conjunto e não com poucas pessoas.

Descentralização

Em seguida descentralizamos as reuniões da Ampliada Regional, que eram só em Cuiabá. Fizemos acontecer a Ampliada Regional itinerante. Para manter os laços com a CNBB, garantimos as Ampliadas Regionais do primeiro semestre no Centro Nova Evangelização (Cene), em Cuiabá, e realizamos as outras, no segundo semestre, nas dioceses de Barra do Garças, São Félix do Araguaia e Primavera do Leste-Paranatinga.

Desse modo exercitamos o que o papa Francisco nos pede, que é “uma igreja em saída”. Fomos ao encontro das pessoas em vez de ficarmos esperando elas virem até nós.

As formações, que antes eram só em Cuiabá, também foram descentralizadas. Foram para dioceses-irmãs, com os Encontros Interdiocesanos, envolvendo duas ou três paróquias. Com isso, mais pessoas foram alcançadas e mais pessoas foram formadas. Novamente exercitamos a ideia da “igreja em saída”.

Comunicação, Liturgia e Assessoria

Outro aspecto que avançou bastante foi algo que há muito tempo conversávamos: a comunicação. Pensando na preparação de nosso regional para o 14º Intereclesial das CEBs, em janeiro de 2018 em Londrina (PR), percebemos a necessidade de organizar um grupo de pessoas para trabalhar a comunicação.

Essa equipe foi formada pela Ana Paula Carnahiba, o Gibran Lachowski (ambos da arquidiocese de Cuiabá) e o Mequiel Ferreira (diocese de Sinop).

Existe um projeto em andamento para ampliar o número de comunicadores no Regional Oeste 2 das CEBs a partir de cursos de formação em Comunicação Popular.

Fomos ao encontro das pessoas em vez de ficarmos esperando elas virem até nós.

Algo importante de se destacar, ainda, foi a criação de uma equipe de Liturgia durante o processo de preparação para o 14º Intereclesial. O grupo teve a Gigliane Gomes Leite e o Daniel Carvalho da Silva, ambos da prelazia de São Félix. Eles participaram de formação e organizaram a celebração do Oestão em Londrina. Também conduziram a celebração de envio para o encontro e as orações no caminho, de Mato Grosso ao Paraná.

Assessoria tem papel fundamental no desenvolvimento das CEBs.

Por fim, houve a formação de um grupo de assessores, que sempre foi nossa vontade. Nesse sentido, foi fundamental o seminário promovido pelo Instituto de Estudos da Religião (Iser) em 2107, em Brasília, com assessoras e assessores de CEBs do Oestão. Nós nos esforçamos e conseguimos estimular e enviar para a ocasião pessoas de diversas dioceses de Mato Grosso.

E depois desse seminário outras atividades já ocorreram no Regional Oeste 2 envolvendo a questão da assessoria. Tenho certeza que esse processo de formação de assessoria vai fazer a diferença no nosso Regional.

Valeu à pena

Estou disposta a ajudar na preparação do 15º Intereclesial. Não é porque eu saí que eu vou deixar a caminhada. Aí é que eu vou continuar. O 15º vem para cá, para Rondonópolis. Fizemos um trabalho bom de base, de articulação. Consultamos as bases. A Coordenação Regional, a Ampliada Regional e as coordenações diocesanas ajudaram bastante.

Enfim, estar à frente da Coordenação Regional foi um aprendizado muito bom, muito valioso. Pude conhecer novas pessoas. E vi dias atrás várias pessoas já com caminhada nas dioceses vindo pela primeira vez na nossa Assembleia Regional das CEBs e assumindo cargos nas coordenações diocesanas e na Coordenação Regional.

Foram os casos da Helen Luz (diocese de Barra do Garças) e Célia Aparecida de Paula (diocese de Juína), que vão trabalhar juntas com o Rinaldo (coordenador) e o Anderson (vice). Isso foi muito gratificante!

Nova coordenação conduz CEBs até os primeiros meses de 2022.

Nossa coordenação avançou muito em relação à participação do povo, indo até o povo. Em todas as nossas assembleias e reuniões ampliadas as avaliações foram positivas quanto à descentralização das ações e à ampliação da equipe de coordenação. E a nova equipe regional seguiu o mesmo ritmo, para dividir melhor os trabalhos. Porque Comunidades Eclesiais de Base são isso: coordenar e distribuir tarefas. Isso faz com que as pessoas cresçam e se desenvolvam para terem condições de assumir a coordenação.

Um beijo no coração de cada um e cada uma. Estamos juntos/as na construção do 15º Intereclesial.

Continuemos a caminhada na constituição de “uma igreja em saída”, com os pobres, fazendo aquilo que Jesus fez: amar e lutar, para que não nos roubem a comunidade e nem a esperança.

Amém! Axé! Awire! Aleluia!

Por Maria Cleuza Feriani, ex-coordenadora das CEBs-MT, Regional Oeste 2, agora integrante da equipe de assessoria

4 Comentário

  • Gigliane Leite

    É isso aí companheira Cleuza, a caminhada continua, as CEBs são organizadas e animadas nas bases, o tempo a frente na coordenação do Regional Oeste 2, foi para nos ajudar e ensinar o quanto sozinhos/as não podemos fazer nada. Que a sabedoria e a humildade divina continue lhe iluminando e com este seu jeito simples e sincero seguimos avante em sintonia, comunhão e esperança. Obrigada e um fraterno abraço!!!!

  • Batista

    Importantíssimo o reconhecimento dessa grande guerreira… Que a nova coordenação aproveite bem sua assessoria e possa torna-la novamente coordenadora do regional no próximo pleito…

  • Andiaria Telma Lopesa

    Que Deus frutique todos seus esforços.Foi muito proveitoso acompanhar sua trajetória diante da Coordenação Regional, sou prova viva da sua participação e o quanto significou para nossa Caminhada(Diocese Sagrado Coração de Jesus), vamos continuar caminhando lado a lado, pois em Cristo somos todos Irmãos.Muito obrigada pela sua disposição em servir.Fraterno abraço querida Cleuza!!!

  • Também acredito nos diálogos e na descentralização das ações pois uma ‘igreja em saída’ exige sacrifício para uma participação de voluntáriado na prática evangelizadora de Jesus… acreditei em voce companheira Cleusa que no trabalho da assessoria possa sempre lrembrar da Arquidiocese de Cuiabá para nos dar boas idéias. Abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *