Assembleia das CEBs Norte 1: Novos Caminhos no Coração da Amazônia

Que “possamos acolher o sopro do Espírito numa Igreja extremamente missionária”, como é a Igreja da Amazônia.

As Comunidades Eclesiais de Base do Regional Norte 1 celebraram sua Assembleia de 27 a 29 de julho em Manaus, refletindo sobre o tema: “CEBs, no coração da Amazônia, buscando novos caminhos”.

O encontro teve um momento para fazer memória avaliativa do 14º Intereclesial, acontecido em Londrina no passado mês de janeiro. Junto com isso, refletiram  sobre a organização das CEBs, com a assessoria da irmã Eurides Alves de Oliveira, que chamou os participantes a pensarem juntos, iluminados pelo tema: “No espelho das comunidades, descobrindo o rosto das CEBs na Amazônia”. Partindo de uma perspectiva bíblica, a religiosa ajudou os 40 participantes da Assembleia a se questionarem sobre situações que fazem parte da vida das comunidades no regional.

Numa Igreja onde o processo do Sínodo da Pan-Amazônia já está fazendo parte do cotidiano, o diácono Francisco Andrade de Lima, Secretário Executivo do Regional Norte 1 e assessor da REPAM-Brasil (Rede Eclesial Pan-Amazônica), apresent0u o Documento de Trabalho do Sínodo, incentivando os presentes sobre a importância de se envolver no processo de escuta do povo, especialmente dos povos indígenas, aspecto repetidamente elencado pelo Papa Francisco.

Neste ano eleitoral e dentro da situação sociopolítica que o Brasil vive, Dom José Ionilton Lisboa de Oliveira, bispo da Prelazia de Itacoatiara, ajud0u a refletir sobre a dimensão política da fé, partindo da nota e a cartilha sobre as eleições 2018, lançadas pela CNBB. Dom José Ionilton insistiu no destacado papel que as CEBs têm exercido  na história da política brasileira nas últimas décadas, sendo elas, segundo o bispo de Itacoatiara, celeiro de bons políticos, e como as CEBs podem ser um instrumento importante na atual conjuntura, pois a dimensão política da fé cristã deve ser sempre presente nas comunidades eclesiais, ainda mais no Ano do Laicato.

Os participantes da Assembleia elaboraram uma nota pública sobre a perda de direitos, onde dizem repudiar “as retiradas dos direitos dos empobrecidos e vulneráveis da sociedade”, denunciando “os desvios de mais de 100 milhões de reais da saúde” no estado do Amazonas, que “tem ocasionado centenas de mortes… devido à precarização do serviço à saúde”, situação que se repete na área da segurança pública, onde “vivemos um clima de medo e terror em todo estado”. Partindo  dessa situação, exigem “respeito à vida, transparência com os gastos públicos, investimento em políticas públicas… e no âmbito federal, cobramos de nossos representantes que se posicionem, pela revogação da PEC da Morte, Emenda Constitucional 95/2016”.

Diante do vivido na Assembleia, Dom Zenildo Luis Pereira da Silva, bispo da Prelazia de Borba e referencial das CEBs no Regional Norte 1, insistiu aos presentes sobre a importância de um momento que definiu como histórico e, ao mesmo tempo, fez um chamado para que “possamos acolher o sopro do Espírito numa Igreja extremamente missionária”, como é a Igreja da Amazônia.

COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE DO REGIONAL NORTE 1

AMAZONAS E RORAIMA

Por Luis Miguel Modino

Fotos: Eurides Alves Oliveira

 

NOTA PÚBLICA SOBRE AS PERDAS DE DIREITOS

“Eu vi e ouvi, os clamores do meu povo e desci para libertá-lo…” (Ex 3,7ss)

Nós, participantes da Assembleia Regional das CEBs CNBB-norte 1, Bispos, religiosos e religiosas leigos e leigas, em torno de 40 lideranças, representando nossas dioceses e prelazias, reunidos nos dias 27 a 29 de julho de 2018, e refletindo sobre os novos caminhos da evangelização na Amazônia, diante da triste realidade em que se encontra o serviço de saúde e segurança pública, em nosso estado, decidimos pelo seguinte posicionamento:

  • Repudiamos as retiradas dos direitos dos empobrecidos e vulneráveis da sociedade, no que diz respeito à medida constitucional 95/2016, que congela por 20 anos os recursos na área da saúde, educação etc, o mesmo não acontecendo com os pagamentos de juros e amortizações “dívida pública”.
  • Em nosso estado nos deparamos com os desvios de mais de 100 milhões de reais da saúde, o que levou à cassação do governador e à prisão de 3 ex-secretários de saúde do estado. Isso tudo tem ocasionado centenas de mortes… devido à precarização do serviço à saúde levando ao fechamento de inúmeras unidades saúde.
  • No que diz respeito à segurança pública, vivemos um clima de medo e terror em todo estado, com alto índice de violência sobretudo contra: jovens, negros, os indígenas, e empobrecidos de um modo geral. Isto não demonstra amor à causa pública.
  • Exigimos respeito à vida, transparência com os gastos públicos, investimento em políticas públicas, preferencialmente para com os empobrecidos.
  • E no âmbito federal, cobramos de nossos representantes que se posicionem, pela revogação da PEC da morte, Emenda Constitucional 95/2016, e auditoria cidadã da dívida, passo importante para desmascarar o cenário de escassez e concretizar a realidade de abundância
  • Exigimos democratização dos meios de comunicação e manifestamos nosso apoio às rádios comunitárias.

Pedimos a Nossa Senhora da Conceição, padroeira do Amazonas, que interceda à Deus por todos nós, e que ilumine todos os futuros parlamentares eleitos para que possam legislar não em causa própria, mas que tenham um olhar caridoso e cuidadoso com a população especialmente pelos menos favorecidos.

Manaus, 29 de julho de 2018

Comunidades Eclesiais de Base

Regional Norte1 – Amazonas e Roraima

Galeria de Fotos:

456a791e-9858-4161-a15a-f10955208ae0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *