São Romero de América, testemunha na luta pelos direitos humanos na Pan-Amazônia

A Pan-Amazônia está manchada do sangue daqueles que se comprometeram na defesa da Vida, dos direitos humanos.

A profecia se torna uma necessidade quando entramos em momentos históricos dominados pela escuridão, quando ataques aos pequenos, à obra do Criador, se tornam prática comum.

A Bíblia nos fala de situações que nos mostram que as atitudes humanas são perpetuadas na história. Nestes dias em que a Igreja reconheceu a santidade de Dom Oscar Romero, martirizado por defender os prediletos de Deus, sua figura deve levar-nos a manter-se firme na luta por um mundo melhor para todos, onde os cuidados para cada ser humano e da Casa Comum tornam-se uma atitude prioritária, especialmente para aqueles que se dizem cristãos.

Segundo Mauricio Lopez, Secretário Executivo da Rede Eclesial Pan-Amazônica – REPAM, “vivemos tempos especialmente convulsionados e de fragmentação em que se torna necessária uma resposta profunda do espírito”. A partir dessa realidade, de uma atitude profética necessária, Mauricio López afirma que “nossa realidade concreta precisa de uma Igreja que responda corajosamente às causas estruturais da injustiça em meio a perspectivas populistas e extremos também nacionalistas. Igualmente, em tempos em que a Igreja vê com vergonha suas próprias fragilidades e erros, é necessário promover uma purificação interior de reconhecer o chamado existencial de uma Igreja a serviço da vida e as pessoas, muito mais do que ao serviço de si mesma.”

Nas palavras do Secretário Executivo da REPAM aparece a vida do Dom Oscar Romero, em quem “encontramos uma pedagogia que nos permite responder a isso, uma pedagogia que se baseia em dois elementos essenciais, a conversão profunda e a profecia. A primeira é o resultado da indignação e dor de um povo que está sendo massacrado, assassinado. A segunda nasce da esperança e a alegria de amar a vida, de amar o povo, onde a Igreja se sente comovida, convocada a se entregar por completo, independentemente das consequências, para poder responder a esse amor profundo por mulheres e homens que fazem a diferença”.

O que aconteceu em El Salvador no tempo do martírio de Oscar Romero, “também podemos ver na nossa Amazônia, onde os líderes, homens e mulheres, estão sendo deslocados, não reconhecidos os seus direitos e estão vivendo situações cada vez mais vulneráveis, mesmo a Irmã-Mãe Terra “, denuncia Mauricio López. Ele afirma que “a conversão e profecia são os sinais mais profundos que deixa São Romero da América, reivindicado pelo Papa Francisco com mais outro elemento, que é o sangue do martírio, que não é um sangue de fracasso e um sangue de morte, mas é um sangue que banha, que semeia e que nutre e fecunda a vida “.

A Pan-Amazônia está manchada do sangue daqueles que se comprometeram na defesa da Vida, dos direitos humanos. Nessa perspectiva e em uma tentativa de avançar em um processo de promoção, proteção e aplicação dos direitos humanos, está sendo realizado em Jaén, Peru, de 10 de outubro a 9 de novembro, a II Escola de Direitos Humanos na Pan-Amazônia, onde 25 jovens indígenas e das comunidades amazônicas, juntamente com agentes de pastoral de onze territórios e seis países procuram “estabelecer ligações, para uma realidade que nos desafia a nos juntarmos e unir forças, porque estamos fragmentados, espalhados, mas com os mesmos problemas, que são os impactos causados pelas grandes empresas”, conforme reconhece a irmã Zélia Maria Batista, religiosa do Conselho Indigenista Missionário – CIMI, que acompanha dez povos indígenas na região sul do Estado do Pará.

Segundo o Secretário Executivo da REPAM, “nossa Escola de Direitos Humanos se sentiu profundamente em comunhão com São Romero de América e com o Papa Francisco. Estamos vendo a alegria de estar juntos, de reconhecer o vinho da vida cotidiana, de nos sentirmos irmãos, de caminhar juntos, de dizer que quando estamos unidos existem possibilidades, que quando falamos de nossas histórias afirmamos os rostos e podemos olhar para além de, numa perspectiva Pan-amazônica e de rede “.

Essa atitude é de particular importância na região amazônica, pois grandes empresas estão dividindo a população local, provocando uma crescente invasão de comunidades e territórios. Por isso, como destaca a irmã Zélia Maria Batista, “é importante que as pastorais trabalhem no campo dos direitos humanos. É urgente que a nossa Igreja esteja cada vez mais envolvida no social, na promoção e na dignidade humana. A Igreja, como diz o Papa Francisco, deve ser uma Igreja de saída, atenta às necessidades, ouvindo o clamor daquele povo “.

A religiosa brasileira reflete em voz alta sobre uma das realidades que encerram mais sofrimento na região amazônica, que é o povo “tão injustificado, oprimido nas grandes periferias de nossas cidades”. Ela denuncia a ausência da Igreja naqueles lugares e insiste que “é preciso incentivar, reforçar a presença da pastoral social, para defender os direitos do nosso povo nas cidades, porque a maioria da população da Amazônia é urbana. Temos muitos povos indígenas na cidade, temos uma grande periferia de povos onde a Igreja não está presente e temos essa missão, cada vez mais, de estar ao lado desse povo para defendê-lo em seus direitos básicos, a vida, a educação, a moradia, tudo o que eles têm como direitos”.

A partir deste quadro, “a REPAM quer seguir o chamado de São Romero da América, quer se sentir profundamente convidada a reconhecer o vinho que chamou Jesus em seu primeiro milagre para salvaguardar a vida, a alegria, promover a plenitude naquelas bodas de Cana e, ao mesmo tempo, o vinho que é o sangue do próprio Jesus que se doa assumindo as consequências de sua vida, sua denúncia profética”, reconhece Mauricio Lopez, para quem, por outro lado, “é o vinho do sangue derramado, que é um vinho das ameaças tão profundas que todos esses casos que estão em nossa escola está vivendo e vai viver ainda com mais força, fazendo-nos sentir co-responsáveis para desenhar caminhos na perspectiva da defesa integral do direitos humanos para poder defender a vida, para que haja vida plena para os outros e para as outras”.

Esta escola é para Germán Vargas, indígena equatoriano de povo Kichwa, um tempo para “aprender ao nível dos diferentes países o que acontece sobre os direitos da natureza, das nacionalidades, dos territórios, da água. Aprender e compartilhar com minhas nacionalidades que estão na província de Sucumbíos”, uma região ameaçada por empresas de petróleo. O indígena denúncia que as organizações indígenas “não são capazes de informar, treinar líderes, não teve a preocupação de fornecer informações nas comunidades, nas bases das nacionalidades”.

Por isso, Germán Vargas insiste que “a Igreja deve dar o impulso, orientar, treinar. Com isso poderíamos treinar, capacitar, orientar nas bases, que necessitam desses treinamentos, não os líderes, nem os dirigentes, mas as bases das comunidades, defendendo os territórios, fazendo contribuições. Essas pessoas precisam desse treinamento, essa orientação. Alguns líderes ficam do lado de fora, eles não nos comunicam nada. Essa má prática tem sido trabalhada”.

0

Essa é uma situação que se repete na região do Alto Putumayo, na Colômbia, onde mora José Joaquín Jajoy, outro participante da Escola, que reconhece que “para mim é muito importante para aprender, formar-me, saber quais são os direitos, porque é necessário defender esses direitos e o que queremos alcançar, defendendo esses direitos”. Ele denuncia “a presença de multinacionais, com o propósito de exploração dos territórios”. A partir daí, destaca a importância dos jovens nesse processo de defesa dos direitos humanos, que recebem a herança “de nossos avós, dos mais velhos”. Nesse sentido, José Joaquín lembra-se da “história dos meus avós, que falavam de uma comunidade única, que habitavam um território. Uma geração depois a história mudou e foi a presença de novas pessoas de outra comunidade que vieram para o território com outros costumes, outras formas de vida, com as quais interagimos “.

Ambos os exemplos, e os onze casos presentes, “dão sentido à pedagogia de São Romero de América de conversão e profecia”, reconhece Mauricio López. Portanto, o Secretário da REPAM pede a “São Romero da América para nos dar a capacidade de responder com coragem e não perder o que é essencial em nossa busca e que esses passos, que começam o caminho também sejam também semente para que muitos mais tenham vida e vida em abundância”. Junto com isso, ele também pede “que a REPAM purifique sua intenção de poder também reconhecer suas fraquezas, também reconhecer todos os nossos mal entendidos e ser uma aposta da vida muito além de nós mesmos”. São Romero de América, rogai por nós.

Por Luis Miguel Modino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *