CEBs Realizam Assembleia para Debater os Novos Caminhos no Coração da Amazônia

“O rosto da igreja amazônica é um rosto feminino, porque as mulheres são a maioria, participam da coordenação e fazem uma igreja Mariana, que se importa com a acolhida, com a luta pela vida, com a política pública, uma igreja laica e de serviços, que sabem o que fazer.” Dom Sergio Castrini

Nos dias 10 e 11 novembro, foi realizada no auditório do Colégio Preciosíssimo Sangue (CPPS), localizado na AV. Constantino Nery – Chapada em manaus, a Assembleia Arquidiocesana das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs). O encontro teve como tema: CEBs no coração da Amazônia buscando novos caminhos e contou com a participação de 46 pessoas no primeiro dia e 40 no segundo, muitos rostos novos, pessoas que vieram pela primeira vez participar, com sede de conhecimentos e vontade de estar junto, nesse processo de construção das CEBs. Além deles, também esteve presente no primeiro dia, o Arcebispo Metropolitano de Manaus, Dom Sergio Castrini.

“Após a acolhida dos participantes, o encontro começou com uma linda oração da manhã, seguida de um momento de análise de conjuntura do Pe. Paulo Tadeu. Também foi realizado a dinâmica dos pés, colocando as características que as comunidades já têm e vimos onde podemos avançar em alguns pontos como: processos sociais, engajamento, igreja em saída, espírito de comunhão. Depois, o diácono Francisco Andrade trabalhou o Sínodo, assim como foi partilhado os processos da Assembleia do Regional e a APA, e finalizamos com um trabalho de grupo analisando como as CEBs se situam e se inserem nesses processos”, disse Ir. Eurides Alves fazendo um resumo do primeiro dia.

O segundo dia encerrou ao meio-dia com um almoço de confraternização, entre as atividades realizadas no decorrer da manhã estiveram: informes e encaminhamentos do Regional Norte – 1; construção do calendário das CEBs para 2019; plenárias e conclusões. Segundo Antônia da Silva, coordenadora arquidiocesana das CEBs, o objetivo foi alcançado tanto em expectativas de participantes, quanto em decisões tomadas, uma das mais importantes sem dúvida é o “encontrão com os ribeirinhos” que ficou agendado para ser realizado em setembro de 2019 em um local ainda a definir.

“Foi gratificante fiquei muito feliz porque houve envolvimento de todos na organização, na realização e na partilha, as pessoas que não mediram esforços para ajudar. Percebi que as pessoas saiam contentes e vieram falar comigo me parabenizar pela forma como conduzimos e também dizer que estão à disposição para ajudar e eu só agradeço de coração. O próximo passo agora é visitar os setores, marcar encontros com as áreas e paróquias e fazer CEBs na base, no meio do povo, na periferia com ribeirinhos e nas estradas”, disse Antônia.

As palavras do Arcebispo

Mesmo um pouco debilitado de saúde, Dom Sergio fez questão de estar presente no encontro das CEBs e compareceu na tarde do primeiro dia. A presença de arcebispo foi uma grata surpresa que revigorou a energia dos participantes que logo o colocaram a par de tudo que já havia acontecido. Logo depois, foi a vez de Dom Sergio dizer algumas palavras de incentivo e sobre a importância do papel das CEBs, sobretudo com o trabalho das mulheres, que tornou a igreja alegre, viva e mariana.

“O rosto da igreja amazônica é um rosto feminino, porque as mulheres são a maioria, participam da coordenação e fazem uma igreja Mariana, que se importa com a acolhida, com a luta pela vida, com a política pública, uma igreja laica e de serviços, que sabem o que fazer. O nosso clero também é um clero especial, porque ser padre na Amazônia não é fácil, são muitos desafios e que fazer da nossa igreja, uma igreja lutadora e isso que vamos dizer no Sínodo, no encontro que teremos no dia 14 e 15, com os bispos da Amazônia”, comentou Dom Sergio.

Por: Érico Pena

Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de Manaus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *