É NECESSÁRIO QUE A MISSÃO ESTEJA NO CORAÇÃO. E isso é urgente. Magda Melo

Esperamos um novo Pentecostes que nos livre do cansaço, da desilusão, da acomodação ao ambiente; esperamos uma vinda do Espírito que renove nossa alegria e nossa esperança” (DAp, n. 362).

Assumimos o compromisso de uma grande missão que nos exigirá aprofundar e enriquecer todas as razões e motivações que permitam converter cada cristão em discípulo missionário. Necessitamos desenvolver a dimensão missionária da vida de Cristo.

A Igreja necessita de forte impulso que a impeça de se instalar na comodidade, no cansaço e na indiferença, à margem do sofrimento dos pobres. Necessitamos que cada comunidade cristã se transforme num poderoso centro de irradiação da vida em Cristo.

Esperamos um novo Pentecostes que nos livre do cansaço, da desilusão, da acomodação ao ambiente; esperamos uma vinda do Espírito que renove nossa alegria e nossa esperança” (DAp, n. 362).

No entanto, para que esse projeto seja possível se faz necessária a “conversão pastoral” de cada um dos ministros, bispos, padres e agentes existentes e a consequente “renovação” missionária das nossas comunidades. Caso contrário, continuaremos surdos e insensíveis ao apelo de nossos irmãos pobres, excluídos, marginalizados e perderemos esta “hora de graça” ou este novo “Pentecostes” para a vida da Igreja e do mundo, e também tão solicitado pelo Papa Francisco.

Esta firme decisão missionária deve impregnar todas as estruturas eclesiais e todos os planos pastorais de (arqui)dioceses, movimentos e de qualquer instituição da Igreja.

Nenhuma comunidade deve isentar-se de entrar decididamente, com todas as suas forças, nos processos constantes de renovação missionária e de abandonar as ultrapassadas estruturas que já não favoreçam a transmissão da fé (DAp, n. 365).

Impregnados da missão em nosso coração, em nossa alma, é que seremos capazes de assumir o projeto de Aparecida e ampliar a consciência e as práticas ministeriais da igreja.

Que esta celebração da liturgia memória do crucificado ressuscitado, seja incomoda diante de nossos confortos e tranquilidade, e possa desinstalar-nos constantemente, nos levando ao compromisso com o Reino, fazendo-nos sal da terra e luz do mundo, fermento na massa.

Que atentos as palavras de Jesus: ser sal sem perder o sabor, ser luz em cima da mesa, e, ilumina a todos que estão na casa. (cf Mt 5,13ss).

Viva Cristo Rei!!!

Magda Melo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *