Curso de Verão aborda situação dos migrantes no Mundo Saída do Brasil do Pacto de Migração da ONU está entre os temas abordados

“A participação no Pacto Mundial de Migração da ONU seria um passo importante para o processo de inclusão dos imigrantes. Eles precisam de apoios como este, afinal sofrem com os aspectos socioeconômicos que dificultam a sua sobrevivência”.

Na semana em que é oficializada a retirada do Brasil do Pacto Mundial de Migração da ONU (Organização das Nações Unidas), o CESEEP (Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular) dá início ao 32º Curso de Verão, provocando uma reflexão sobre a situação dos migrantes no Mundo.

Com o tema “Por uma cidade acolhedora: Somos todos Migrantes”, a iniciativa começou na quarta-feira, dia 9, e será realizada até o dia 17 de janeiro, nas dependências da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo.
Segundo a coordenadora do Curso de Verão, Cecília Bernardete Franco, “o tema deste ano vem de encontro com as necessidades de aprimorar e criar medidas para sanar as dificuldades e precariedades enfrentadas por este povo, que cresce a cada dia, e de a cidade lidar com este acontecimento de forma acolhedora”. Para ela, é importante um trabalho de conscientização e incentivo junto às comunidades para que o migrante seja reconhecido e respeitado como um cidadão, tendo uma vida mais digna.
O Curso de Verão 2019 reúne cerca de 300 pessoas de vários países do Mundo, e a programação inclui palestras com especialistas, além de diversas oficinas, seguindo os seguintes pilares: Arte, Ecumenismo, Educação Popular e Mutirão.
Apesar da triste notícia da saída do Brasil do Pacto de Migração, o primeiro dia de Curso trouxe pontos positivos: “Acredito que conseguimos reunir pessoas que demonstram um grande interesse em fazer a diferença, e vieram buscar ferramentas e conteúdo para agir em suas comunidades, mudando esta realidade em torno dos migrantes”.

O presidente do CESEEP, padre Benedito Ferraro, explicou que no contexto mundial, as leis de imigração estão cada vez mais rígidas e seletivas. O Brasil, porém, teve um pequeno avanço, com a Lei de Migração 13.445/2017, que trouxe um olhar diferenciado aos direitos humanos dos imigrantes e um novo ordenamento jurídico, embora com restrições práticas e de acesso ao seu conteúdo avançado e promissor.
“A participação no Pacto Mundial de Migração da ONU seria um passo importante para o processo de inclusão dos imigrantes. Eles precisam de apoios como este, afinal sofrem com os aspectos socioeconômicos que dificultam a sua sobrevivência”.
O Pacto foi criado em 2018, estabelecendo parâmetros para os países acolherem imigrantes dentro de um processo seguro, ordenado e regular. Cerca de 120 países aderiram à medida.
Programação – Nesta sexta-feira, dia 11, a 32ª edição do Curso de Verão recebe o filósofo e teólogo, padre Alfredo J. Gonçalves, que vai falar sobre “Feridas e Cicatrizes. Panorama Nacional e Internacional das Migrações”. A palestra é aberta ao público e tem início às 8h, no auditório do Tuca, na PUC.
O evento já contou com a participação do professor Antonio Carlos Malheiros, Pró-reitor de Cultura e Relações Comunitárias, do professor da PUC, Wagner Lopes Sanches, e da coordenadora geral do CESEEP, em exercício, Lourdes de Fátima P. Possani.

Mônica Santos / Comunicação / CV2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *