Mini Plenária

A questão da Violência e Segurança – VER/JULGAR Marcia Lopes e Vilson Groh

A questão da Violência e Segurança – VER/JULGAR Marcia Lopes e Vilson Groh

14º Intereclesial, 1º Dia, Destaque, Destaque News, Mini Plenária
Violência e Segurança são temas que estão na base da contradição do capitalismo e se reproduzem conforme as forças políticas e econômicas mundiais e de interesse do tal mercado, jamais se preocupando com a vida das pessoas, a não ser àquelas milhares, que ainda escravizadas, servem para reproduzir a riqueza estocada e concentrada nas mãos de pouquíssimos. VER Pois é, o que sempre me animou no novo modo de ser Igreja é que ela passou a tocar em pontos cruciais da vida em sociedade, enquanto determinação histórico/cultural e econômico/social. Estamos longe sabemos, de assumirmos como Igreja, com a coragem e coerência necessárias, temas complexos milenares, como é este que me atribuíram VER por ocasião do 14º Intereclesial das CEBS, a ser realizado em Londrina/PR, em janeiro de 2018: A qu
O desafio das juventudes – VER/JULGAR

O desafio das juventudes – VER/JULGAR

14º Intereclesial, Mini Plenária
  VER Dentre os cenários e sujeitos do mundo urbano que o 14º Intereclesial das CEB’s se propõe a dedicar estão as juventudes. Este Intereclesial possibilita também a dar espaço para debater os desafios das juventudes. Talvez você esteja estranhando o plural, mas é isso mesmo, juventudes. São varias configurações do que é ser jovem ou da condição juvenil.  Importante perceber a diversidade que nos torna Juventudes, compreendendo também que ser jovem no Brasil é lutar constantemente por ser reconhecimento e garantias enquanto sujeito de direitos. Ver a cidade não só como um espaço de socialização das juventudes, mas também como um espaço de construção e disputa por direitos, os quais são necessários para tornar a expectativa de vida das juventudes cada vez maior e melhor.  
Ecologia e cuidado ambiental – VER/JULGAR

Ecologia e cuidado ambiental – VER/JULGAR

14º Intereclesial, Mini Plenária
  VER Constituição Brasileira: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. A questão Vamos recordar que o foco desse intereclesial é a questão urbana. Então, a questão ambiental em Londrina também deve ter esse enfoque urbano, embora hoje em dia, com a consciência que “tudo está interligado nessa casa comum”, não possamos fazer cortes entre a questão rural e urbana a não ser apenas para fins didáticos, nunca para entendimento da questão como um todo. É preciso lembrar também que a urbanização brasileira foi feita de forma rápida e violenta. Para abrir o esp
Desafios de acesso a participação da Cultura e lazer – VER/JULGAR

Desafios de acesso a participação da Cultura e lazer – VER/JULGAR

14º Intereclesial, Mini Plenária
  VER [EM CONSTRUÇÃO] JULGAR No Rio de Janeiro, durante um Carnaval, uma equipe norte-americana de Cinema está filmando cenas do Carnaval. Passa a filmar um bloco de "índios" - associação carnavalesca formada por gente de uma favela do Rio. A filmagem ia bem quando, de repente, os tais pobres do Morro, vestidos de índios no bloco carnavalesco puxam armas e assaltam os técnicos e diretor que faziam a filmagem. Roubam todo o arsenal cinematográfico de câmeras e gravadores. E com todo o material do filme, fogem para a favela. Ao chegar lá, se organizam e, com aqueles equipamentos caríssimos, começam a fazer um filme a partir da favela e com o tema da Inconfidência Mineira. Essa é a trama do filme "Ladrões de Cinema", produção de 1977, do diretor Fernando Coni Campos[1]. O as
Os desafios da Formação e da Educação – VER/JULGAR

Os desafios da Formação e da Educação – VER/JULGAR

14º Intereclesial, Mini Plenária
  VER OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Os desafios da Educação em nosso País Nas duas últimas décadas registraram-se importantes avanços na educação escolar, no que diz respeito ao acesso, no entanto não se logrou a Universalização do Ensino Básico e a consolidação das políticas de inclusão. Os governos identificados genericamente como “democráticos e populares”, iniciados em 2003 e interrompidos em 2016, não conseguiram construir uma política educacional totalmente articulada entre seus níveis (educação básica e superior), suas etapas (educação infantil, ensino fundamental e médio) e suas modalidades (educação de jovens e adultos, educação do campo, educação profissional, educação indígena e educação especial), mas realizou intervenções com estratégias que abriram oportu
Movimentos e organizações sociais e populares – VER/JULGAR

Movimentos e organizações sociais e populares – VER/JULGAR

14º Intereclesial, Mini Plenária
  VER A luta pela transformação social se faz diariamente pela disputa de projetos de sociedade: o projeto que amplia e aprofunda a desigualdade social (promovido pelas elites econômicas, políticas e sociais do país, com aliados nas grandes corporações financeiras multinacionais) e o projeto que visa á conquista de vida digna e de igualdade social (defendido pelos movimentos sociais e organizações populares). E é importante compreender que os movimentos sociais e organizações populares não atuam num campo aberto, mas minado por uma cultura política que se formou no Brasil, fruto da colonização, da escravidão, das ditaduras que já sofremos e da cultura consumista que tudo quer transformar em mercadoria: até as nossas vidas. Como nos ensina o mestre Paulo Freire, “precisamos id
O Acesso e Condições de Moradia – VER/JULGAR

O Acesso e Condições de Moradia – VER/JULGAR

14º Intereclesial, Mini Plenária
  VER [EM CONSTRUÇÃO]   JULGAR MEMÓRIA DO DIA ANTERIOR: “São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência sócial (Constituição Federal nº 6). Um dos motivos para a inclusão do direito à moradia na Constituição é a associação direta dele com o princípio da dignidade da pessoa humana. Esse princípio é um dos mais importantes dentro das nossas leis e serve como reflexão para várias questões, como: como é necessário que todas as pessoas tenham uma casa, um lar com requisitos básicos à sobrevivência, para que se viva com dignidade? No entanto, a situação do Brasil em relação ao direito de moradia está muito longe deste princípio, desse direito conquistado e escrito. O déficit de vivendas ultrapass
Pluralismo: Ecumenisno e Dialogo  inter religioso – VER/JULGAR

Pluralismo: Ecumenisno e Dialogo inter religioso – VER/JULGAR

14º Intereclesial, Mini Plenária
  VER [EM CONSTRUÇÃO]   JULGAR Em 2017, entre as cenas de violência que caracterizam o cotidiano urbano brasileiro, algumas provocaram a pergunta pelo sentido da fé em Jesus Cristo. Lembro dos casos de ataque aos terreiros no Rio de Janeiro, proferidos em nome da fé em Jesus Cristo. O vídeo com uma pessoa portando um taco escrito “diálogo”, enquanto obrigava a liderança religiosa do terreiro, quebrar os seus símbolos sagrados expressou a virulência e o ódio presentes nestes ataques. A pergunta sobre os desafios do mundo urbano, desde as perspectivas do pluralismo religioso e do diálogo inter-religioso, necessariamente, nos remete à pergunta sobre o sentido da missão no século XXI. Parte da história missionária cristã deu ênfase à necessidade de levar a fé em J
Os desafios da mobilidade/transporte e locomoção – VER/JULGAR

Os desafios da mobilidade/transporte e locomoção – VER/JULGAR

14º Intereclesial, Mini Plenária
VER [EM CONSTRUÇÃO]   JULGAR Nós nos movimentamos porque o movimento é parte integrante do que somos. O desejo de nos movermos vem desde o nascimento, passando pelo crescimento, onde estamos e vivemos e até o momento da nossa morte. É quando nos movemos que criamos relações, encontramos outras pessoas e também somos encontrados pelos nossos irmãos e irmãs. O Deus revelado pela Bíblia é movimento, não é estático. Por isso, Ele vem até nós e nos visita (Gn 21,1; Ex 3,16; 4,30; Lc 1,68.78; 7,16). É um Deus que caminha conosco fazendo história em nossa história. E nós, seres humanos, somos imagem e semelhança de Deus (Gn 1,26-27), por isso também nos movemos, caminhamos, visitamos... Os motivos pelos quais as pessoas ou grupos humanos se movimentam e se deslocam de um lugar
Mídias, novas tecnologias e direito a comunicação – VER/JULGAR

Mídias, novas tecnologias e direito a comunicação – VER/JULGAR

14º Intereclesial, Mini Plenária
  VER/JULGAR   Tecnologia e Comunicação: Influências no ser e agir Humano                                                  A Tecnologia pode ser entendida como a capacidade de todo ser humano e de suas relações comunitárias em resolver as necessidades básicas de sua existência. Hoje o mundo esta numa gigantesca onda tecnicista que facilita o modo de viver das pessoas. E dentre elas o modo de tecer conexões com os outros seres humanos: a forma de lidar com a comunicação. E, como o avanço do conhecimento técnico é uma verdade que não podemos negar e que vem facilitando muito a vida das pessoas, podemos nos perguntar: Será que a ‘tecnologia’ tem nos ajudado a ser pessoas humanas melhores? Será que todas as pessoas, nos aglomerados urbanos ou nos rincões das realidades